Deux nouvelles publications signées Stéphane Leman-Langlois   
Cet été, deux nouveaux ouvrages ont été publiés par Stéphane Leman-Langlois, membre des HEI : Technocrime: Policing and Surveillance, ainsi que Maintenir la paix en zones postconflit: Les nouveaux visages de la police. Stéphane Leman-Langlois (dir.) Technocrime: Policing and Surveillance, Londres, Routledge.Le développement des technologies nous permet d’envisager la criminalité de façons entièrement nouvelles. Les criminels disposent de plus en plus de moyens pour commettre des crimes; les forces de l’ordre, quant à elles, ont de nouveaux moyens pour enquêter, poursuivre, punir, et pour répertorier les crimes. Ce livre vise à démêler les réalités, les mythes, les politiques, les théories et les pratiques de cette nouvelle ère technologique dans laquelle sont entrés les criminels, la police, les tribunaux, les citoyens. Samuel Tanner et Benoît Dupont (dir) Maintenir la paix en zones postconflit: Les nouveaux visages de la police, Montréal, PUM. Stéphane Leman-Langlois (Ed.)À partir d'études de terrain réalisées dans des contextes variés (Balkans, Afghanistan, Haïti, Timor-Leste...), des chercheurs provenant de disciplines aussi diverses que la science politique, la sociologie, la criminologie ou le droit esquissent les grandes lignes d'un champ de recherche dédié aux opérations de maintien de la paix et aux processus complexes qui permettent à des sociétés divisées de se réconcilier et de rétablir des institutions policières légitimes. Félicitations à notre collègue!
          Artigu Provokativu 2 ???   
Artigu ida mak nee. Ida nee mos artigu nebe jakerek husi ema ida nafatin, naran Mozes Adiguna. Oinsa ho maluk sira nia hanoin? http://luar-negeri.kompasiana.com/2015/02/26/dibandingkan-korea-utara-timor-leste-lebih-memalukan-709130.html
          Comment on Doctor Who 806 “The Caretaker” – Reviews round-up by gjailxfy   
Spearheading the movement is Carl de Villiers, a South African with a passion for the sea who owns Surf Shop Arabia. Originally starting in a small unit in International City three years ago, the shop has gone from strength to strength, moving to a larger property in Al Barsha before moving yet again to a much bigger location on Al Manara Street in Al Quoz 1. <a href="http://www.hollisterco.us.com/" / rel="nofollow">hollister co</a> 9) Adelaide 42 104.12% Essendon (A); Brisbane (H); West Coast (H); Geelong (A) Highest possible: 58 points. Predicted finish: 8th a <a href="http://www.truereligionoutlet.mobi/" / rel="nofollow">true religion jeans</a> Seaham further demonstrated its commitment to creativity by transforming a derelict area into a 12m-long trench to commemorate the centenary of the First World War. <a href="http://www.lv.net.co/" / rel="nofollow">lv</a> ??here were no niggles. She was just raring to go. If she had been allowed to go any faster, she would have done.?? ZWR1Y2F0ZSB0aGVtc2VsdmVzIGFuZCBnZXQgaW52b2x2ZWQsIGJ5IHZvbHVudGVlcmluZyAoc3Vz <a href="http://www.coachfactory.us.org/" / rel="nofollow">coach factory outlet</a> Chameleon w <a href="http://www.louisvuittonbags.name/" / rel="nofollow">www.louisvuittonbags.name</a> St Etienne (2005-2009) Played 98 Goals 38 <a href="http://www.tomsoutlet.us.org/" / rel="nofollow">toms outlet</a> White put on 7 pounds which is a lot for a receiver who weighs only 190 but felt that was too heavy. He dropped to 195, which is where he is now. o "I think people look at what's wrong with Washington, and they say, 'Wait a minute, we haven't had that gridlock, we haven't had that problem here in New Jersey.'" Assemblyman Bucco said. "I've had 12 bills that have been through the legislature, and signed by the govrenor, and the majority of those were bipartisan bills." <a href="http://www.abercrombiekids.us.com/" / rel="nofollow">http://www.abercrombiekids.us.com</a> Health and education <a href="http://www.tomsoutlet.us.org/" / rel="nofollow">http://www.tomsoutlet.us.org</a> n Pixie Lott: The Mama Do singer, 23, is already being suggested as a favourite, having studied dance at performing arts school. "I don't think you can pay attention to (being a favourite) because it always changes," says the blonde star who's paired with Australian newbie Trent Whiddon. <a href="http://www.oakleys.us.org/" / rel="nofollow">oakley</a> Soul food when I?? home. Korean food when I?? on the road. http://www.coach.us.org The company released a statement last month noting the reality star's support of the drug. <a href="http://www.coachpurses.us.org/" / rel="nofollow">coach outlet online</a> "They were born to live in the Middle East, not in any other place," he said. k <a href="http://www.oakleys.us.org/" / rel="nofollow">oakley</a> Were SO TAME - THEY'D Walk towards you and NOT FLINCH AWAY - <a href="http://www.coach.us.org/" / rel="nofollow">http://www.coach.us.org</a> ??s a family-run business, we bring family values into our client relationships,??Beverly says. ??e view all of our clients as extended family and, as in any good family, we strive to work together to see you succeed.?? Enemkpali had three tackles in six games last season after being taken in the sixth round out of Louisiana Tech. This is not the first time Enemkpali, from Pflugerville, Texas, has been in trouble for fighting. He was suspended from the Louisiana Tech team in 2011 after being arrested for an off-campus incident in which he was booked with disturbing the peace and battery of a police officer. <a href="http://www.af.net.co/" / rel="nofollow">af</a> By February, wheat should normally be 70 cm high, farmer Halaseh said, but now it is barely 15 cm, a trend he has been noticing over the past two decades. When it counted, though, the Packers had the bigger guns - Taylor, who led ground gainers with 60 yards in 23 carries, Hornung, who gained 33 yards rushing and caught four passes for 42 yards, Dowler, who caught five passes for 50 yards, Dale with three catches for 63. And, of course, the accurate toe of Chandler. <a href="http://www.toryburchs.us.org/" / rel="nofollow">tory burch</a> The main amounts came from damage to the Capitol lawn and the cost of paying for the interior stone walls to be cleaned. Demonstrators had taped up signs throughout the Statehouse, and the cleaning was done to ensure that any residue from the tape didn't leave long-term marks on the stone. To simplify your project, many companies are integrating their outdoor living products, creating collections that are specifically designed to work together. Here are four ways you can take advantage of these bundled systems and create a beautiful and inviting space in your own backyard. <a href="http://www.abercrombieandfitch.us.org/" / rel="nofollow">abercrombie fitch</a> The subject feeds into ideas that will come to fruition in a ?17m Heritage Lottery-funded scheme to create the country?? first faith history museum to be housed in a new gallery extension alongside a renovated old wing. Building work is due to start next spring. m Inside the building, parts of sets, including items from April in Paris, are now spending a spell in storage after their time under the spotlight. <a href="http://www.louisvuittonbags.name/" / rel="nofollow">www.louisvuittonbags.name</a> A handful of pearl barley If Aaron Rodgers wants to get rid of Brett Favre's shadow, you're darn right he needs to win a Super Bowl, Gruden said. That's what this game is all about. That is the definition of great - when you win a Super Bowl. <a href="http://www.toryburchoutletonlines.us.org/" / rel="nofollow">tory burch outlet online</a> The opportunity to meet with many leaders in Israel face to face has impressed on me even more the significance of the vote I will cast in the US Congress. From my review of the specifics, I felt before I arrived that this was a bad deal. This visit has only reinforced my serious concern and objections. n <a href="http://www.tomsoutlet.us.org/" / rel="nofollow">toms shoes outlet</a> This has helped to push up costs in its transport category. <a href="http://www.tomsshoesoutletonline.us.com/" / rel="nofollow">toms shoes outlet</a> We didn't play a very good baseball game, Schwarz said. That's about it. o biBUd2l0dGVyIGF0IDxhIGhyZWY9Imh0dHA6Ly93d3cudHdpdHRlci5jb20vTmF0ZVVscmljaEFC <a href="http://www.tomsoutlet.us.org/" / rel="nofollow">toms outlet</a> ALAMOGORDO, N.M. (AP) - A French couple who died during an afternoon hike across the searing New Mexico desert likely saved their 9-year-old son by giving him two sips of water for each one they took before the supply ran out, a sheriff said Friday. t When OSB announced its UK venture to restore the site, immediate questions were raised about what it would do, and just what kind of impact it would have on the region?? employment landscape and supply markets. <a href="http://www.toryburchoutletonlines.us.org/" / rel="nofollow">tory burch outlet online</a> Our trip wasn?? only about stuffing ourselves silly and soaking up the sunshine??we also managed to squeeze in bona fide cultural experiences along the way. <a href="http://www.michaelkorshandbags.us.org/" / rel="nofollow">michael kors handbags</a> And check out our redesigned mobile site by visiting NJ.com from any mobile browser. <a href="http://www.abercrombie.us.org/" / rel="nofollow">abercrombie</a> "I said to my partner 'it's not turning, it's not turning' and then she said something to me but I cannot remember what she said. e <a href="http://www.abercrombieandfitch.us.org/" / rel="nofollow">abercrombie and fitch</a> The older complainant said he lost his virginity with her on a camping trip, and the younger boy said they had sex after she allowed him to watch her bathe. <a href="http://www.polo.us.org/" / rel="nofollow">polo ralph lauren</a> Does Metcalfe?? Market currently accept any form of mobile payment?We currently accept Moocho, which ?is a popular mobile payments app for college students. It?? used on nine college campuses across the country, including the University of Wisconsin. No short policy such as this can spell out all possible instances of material or behavior that we might deem to be a violation of our publishing standards, and we reserve the right to remove any material posted to the site. <a href="http://www.michaelkorshandbags.us.org/" / rel="nofollow">http://www.michaelkorshandbags.us.org</a> Results from a 2004-2010 showed that the conflict leading to Timor-Leste s 2002 independence had lasting mental health effects, and communal violence in 2006 which left 100,000 displaced exacerbated the situation. t <a href="http://www.burberryoutlet.us.org/" / rel="nofollow">burberry outlet online</a> DBC I hope you are reading these comments? For what it is worth I agree with most of the above, I want to live in a nice tidy town however you need to realise not everybody is respectful and will spend time going to the tip! It has got worse since they stopped collecting items for free I think, perhaps you need to compromise and take that charge away? DBC are making so many cut backs but seem to be in the wrong places, we did some work in the house recently had 1 small bag of rubble and was told I had to pay for at the recycle centre and you wonder why people fly tip? They need to also get their fingers out and give us a garden waste bin as well there are some decent people in this town who perhaps can't afford to be running up to the tip every week with grass cuttings or don't have a car . This council is greedy and behind the times its a shambles the only people who suffer are the decent law abiding respectful people if scummy people can't be bothered to do the right thing they will tip anywhere regardless <a href="http://www.tomsshoesoutletonline.us.com/" / rel="nofollow">toms shoes outlet online</a> - Participating in parliamentary activities of the Arab, Islamic and African Parliamentary Union and Inter-Parliamentary Union.
          'Não podemos deixar que nada impeça que o Brasil continue respirando', diz Temer   
(Foto: AFP)

Em discurso, o presidente voltou a falar sobre o atual momento político e defendeu que o Brasil precisa continuar funcionando
POR CORREIO 24 HORAS
Em evento comemorativo de um ano da Lei de Responsabilidade das Estatais, o presidente Michel Temer e o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disseram que as estatais brasileiras estão cumprindo o cronograma previsto para a aplicação da nova legislação, e que Banco do Brasil , Petrobras e Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) já se adaptaram integralmente às novas regras antes do prazo previsto.
De acordo com o governo, com as mudanças, já é possível perceber redução da dívida e no aumento do valor de mercado das estatais. Em discurso, o presidente voltou a falar sobre o atual momento político e defendeu que o Brasil precisa continuar funcionando.
“O Brasil não tem tempo a perder”, disse. “Não podemos deixar que nada impeça que o Brasil continue respirando”, completou.
Lei das Estatais

Sobre a Lei das Estatais, Temer reiterou que a falta de responsabilidade com as contas, tanto nos governos como nas empresas, na busca por “aplausos fáceis”, é o que destrói as empresas e corrompe as instituições brasileiras. “A ideia principal dessa lei é que era preciso protegê-las de assédios ilegítimos de quem quer que fosse, na tentativa de impedir qualquer influência que não fosse geradora de uma administração eficiente”.
A Lei das Estatais estabeleceu novas regras para nomeação de diretores e conselheiros, como a proibição de que dirigentes partidários, ocupantes de cargos políticos ou políticos que disputaram eleições recentes ocupem diretorias ou conselhos. Por meio dessa restrição, busca-se evitar que sejam feitas indicações políticas para o comando das estatais.
Segundo ele, foi tomando esses cuidados que a Petrobras conseguiu sair de um prejuízo de R$ 3,8 bilhões para um lucro de R$ 4,8 bilhões no período de um ano. “Após 7 anos de crescimento das dívidas, as estatais viram reduzir seu endividamento em 24% [entre 2015 e 2016]. Com isso o valor de mercado dessas empresas conheceu um incremento extraordinário”, argumentou.
Temer reiterou que a responsabilidade fiscal é o “caminho da democracia, da justiça e do desenvolvimento” e que é preciso avançar “em nome dos 14 milhões de brasileiros que não têm carteira assinada”.
Redução de endividamentoO ministro Dyogo Oliveira disse que as “três das maiores empresas já cumpriram integralmente todas as determinações”, referindo-se ao Banco do Brasil, BNDES e Petrobras. “Essas ações de gestão nos traz resultados efetivos e concretos”, disse.
“Em primeiro lugar, o resultado financeiro das principais empresas, que no primeiro trimestre de 2016 foi um somatório de apenas R$ 500 milhões, passou nesse primeiro trimestre de 2017 para R$ 10,5 bilhões e um crescimento de 2000%. Tivemos também crescimento de valor de mercado da Eletrobas de 144%; do Banco do Brasil, de 70%; e da Petrobras, de 54%”, afirmou o ministro.
De acordo com Oliveira, o endividamento das empresas caiu de R$ 544 bilhões para R$ 437 bilhões entre o fim de 2015 e o final de 2016. “Essa tendência de queda permanece ao longo de 2017 e teremos ao final do ano um endividamento ainda menor”.
Comunidades de Língua PortuguesaMais cedo, Michel Temer participou de uma cerimônia fechada com integrantes da 15ª Conferência dos Ministros da Justiça da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). A conferência ocorre desde o dia 27 na Academia Nacional de Polícia (ANP), onde cerca de 80 agentes públicos estrangeiros e brasileiros passam por capacitação para implementar ações de incentivo e de prevenção e combate a crimes de lavagem de dinheiro e de corrupção, no âmbito dos países membros da CPLP.
Criada em 1996, em Lisboa, a comunidade tem como Estados-membros Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Portugal, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Entre seus objetivos está o de estimular a cooperação e a promoção e defesa da língua portuguesa, através de um intenso diálogo cultural. Por meio da comunidade, foi aplicado e ratificado o acordo ortográfico de 1990.

          O REI DOS PORTUGUESES ESTEVE EM TIMOR-LESTE   
Foto de CAUSA REAL.

Na sequência da sua mais recente visita ao Oriente, S.A.R., o Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança, passou uma vez mais por Timor-Leste, país lusófono do qual recebeu a nacionalidade e passaporte diplomático, por decisão unânime do Parlamento Nacional, em 2012.

Nesta sua visita, que decorreu entre o dia 14 e 24 de Junho, SAR pretendeu dar um impulso final com vista à criação de uma revista em Timor, inteiramente redigida em Língua Portuguesa. Para o efeito reuniu com diversas entidades envolvidas naquele projecto, como a Diocese de Baucau, Sua Excelência o ex-Presidente da República, Dr. Ramos Horta, entre outros.

S.A.R. foi ainda convidado de honra na cerimónia de inauguração da nova estação de transmissão televisiva do Grupo Média Nacional (GMN), ao qual teve a oportunidade de entregar, como contributo simbólico, alguns documentários televisivos oferecidos pela TV Cultura, do Brasil, com respectivas licenças de transmissão.

Desta sua visita fez ainda parte uma audiência com o recém-eleito Presidente da República Democrática de Timor-Leste, Dr. Francisco Guterres Lu Olo, ao qual teve a oportunidade de apresentar formalmente os seus cumprimentos. 

S.A.R. teve ainda a oportunidade de reunir com o novo Bispo de Díli, Dom Virgílio do Carmo da Silva, para apresentação de cumprimentos e estudo de possíveis parcerias para o futuro.

SAR visitou oficialmente o Instituto de Pesquisa, Desenvolvimento, Formação e Promoção de Bambu, em Tibar, instituição pública que se dedica ao ensino e à promoção de mobiliário em bambu, como forma de desenvolvimento económico e individual.

(texto e fotografias de Carlos Leitão Carreira)

Foto de CAUSA REAL.


          TIMOR APROVA APOIO DE USD 1,5 MILHÕES PARA VÍTIMAS DOS FOGOS EM PORTUGAL   
27 DE JUNHO DE 2017 * 12:05 * Lusa
LEONARDO NEGRÃO/GLOBAL IMAGENS

O Governo timorense aprovou hoje um pacote de assistência de 1,5 milhões de dólares (1,33 milhões de euros) em ajuda humanitária para apoio às vítimas dos incêndios florestais deste mês.

Avelino Coelho, secretário de Estado do Conselho de Ministros, disse aos jornalistas que a decisão foi aprovada na reunião de hoje do Governo que renovou os votos de pesar para os familiares das vítimas dos fogos.

Os fundos serão contabilizados no componente de apoio humanitário do Orçamento do Estado de 2017.

Pelo menos 64 pessoas morreram e mais de 150 ficaram feridas em resultado do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, chegando depois aos distritos de Castelo Branco e Coimbra.

O incêndio consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, destruindo várias casas e outros bens privados.

Antes, o Governo timorense já tinha expressado pesar pela "catástrofe" e "perda de vidas", saudando o trabalho que tem sido feito pelos bombeiros.

"A perda de vidas é absolutamente trágica. Os pensamentos e as preces do povo de Timor-Leste estão com as nossas irmãs e irmãos de Portugal", disse Rui Araújo, o primeiro-ministro timorense, numa mensagem divulgada no portal do Governo.

A nota refere que o "conhecimento do estado de catástrofe e perda de vidas causado pelos incêndios" levou o executivo a "enviar uma mensagem de solidariedade" ao Governo e povo portugueses.

"O Governo de Timor-Leste apresenta as suas condolências às famílias e amigos daqueles cujas vidas se perderam e envia uma mensagem de apoio ao Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e ao primeiro-ministro António Costa, neste momento difícil", refere o comunicado.

"O Governo também deixa uma palavra de reconhecimento ao trabalho feito pelos bombeiros e outros elementos de intervenção local, que enfrentam com coragem condições extraordinariamente difíceis", sublinha.

Também o Presidente da República, Francisco Guterres Lu-Olo, manifestou o seu pesar e solidariedade com as vítimas dos fogos que têm assolado a zona de Pedrógão Grande e de outras localidades do centro de Portugal.

"É com tristeza que acompanhamos as notícias dos fogos que ocorreram em Pedrógão Grande. Em nome do Estado e do povo de Timor-Leste quero expressar as nossas sentidas condolências às famílias enlutadas e a nossa solidariedade com o povo irmão de Pedrógão Grande", disse em comunicado.

Resultado de imagem para DN SOCIEDADE

          Quenching the Thirst for Clean Water in Timor-Leste   
Some of you may have camped in the woods without a nearby water spigot. Perhaps you had to walk to a lake or river and then boil the water to sterilize it. For a day or two, that’s an adventure. … Continue reading
          Timor-Leste precisa de um Plano Nacional de Formação de Quadros | M. Azancot de Meneses   


Próximo governo de Timor-Leste terá que conceber um Plano Nacional de Formação de Quadros

No dia 22 de Julho realizar-se-ão as próximas eleições legislativas em Timor-Leste e será formado o VII Governo Constitucional. Independentemente do governo que vier a ser formado, o país tem um Plano Estratégico de Desenvolvimento projectado para 2030 que não poderá deixado de ser tomado em consideração pelo novo executivo.

O Jornal Tornado, sobre esta problemática, decidiu entrevistar o Dr. Azancot de Menezes, especialista em educação e formação, considerado um dos quadros superiores mais conceituados de Timor-Leste.
Entrevista

Jornal Tornado: Dr. Azancot de Menezes, bom dia, começamos por agradecer a sua disponibilidade em conceder esta entrevista que nos parece fundamental para quem deseja compreender melhor a situação em Timor-Leste. Num momento em que se aproxima a formação de um novo governo, gostaríamos de saber a sua opinião relativamente à implementação e cumprimento do Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste.

Azancot de Menezes: O Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste (2011 – 2030) apresenta um sumário de estratégias, acções e metas para 2020, destacando que o sistema de educação e de formação profissional deverá formar os recursos humanos qualificados que Timor-Leste necessita para continuar a construção da Nação.

O documento estratégico refere, também, que em 2030 o povo de Timor-Leste será instruído e bem formado, com longa esperança de vida e produtiva, e terá acesso a uma educação de qualidade que lhe permitirá participar no desenvolvimento económico, social e político da nossa Nação.

Segundo o plano governamental, haverá um serviço de saúde abrangente e de grande qualidade, acessível a todos os timorenses, e terá sido reduzida a pobreza porque haverá elevados níveis de rendimento e melhorado a produtividade nacional, com recursos naturais e o meio ambiente geridos de forma sustentável para benefício de todos, havendo sectores de indústria criativas que contribuirão para a nossa economia e o nosso sentido de identidade nacional.

O documento, tal como o apresenta, é ambicioso e todos sabemos que da teoria à prática há um longo caminho a percorrer, principalmente devido ao facto de Timor-Leste estar com carência de quadros. Concorda comigo? 

Totalmente! O nosso país enfrenta esse problema, de forma conjuntural e estrutural. Não temos quadros médios e superiores em número suficiente e qualificados! Portanto, a educação e a aposta na qualificação dos recursos humanos são imperativos para se dar cumprimento ao Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste.

Quadros médios e superiores

Em Maio de 2017 realizou-se, em Díli, o 3º Congresso Nacional de Educação. Sabemos que estiveram presentes especialistas e houve o envolvimento do governo…

Este encontro, sem dúvida, foi uma excelente iniciativa do Ministério da Educação, contudo, ao falarmos em educação e formação, na prática, continuamos sem encontrar respostas relativamente ao perfil dos professores que desejamos para Timor-Leste, informações que são imprescindíveis para a mudança qualitativa da educação e do futuro do nosso país.

Quais são os principais constrangimentos em relação à formação de professores e de quadros técnicos em geral?

Há um conjunto de questões fundamentais que devem merecer análise cuidada e necessitam de ser discutidas pelos especialistas e pelos decisores que definem as políticas do país.

No domínio da educação, por exemplo, não se sabe em rigor qual é o ponto de situação actual em relação à formação inicial e contínua de professores. Até ao momento não foi ainda realizada uma avaliação credível sobre a formação de professores em Timor-Leste.

Quais são os custos, os recursos humanos, os materiais e o equipamento necessários para darmos cumprimento a uma política educativa de qualidade defendida no Plano Estratégico de Desenvolvimento? Colocar este tipo de perguntas e encontrar respostas é um desafio crucial para a resolução de muitos constrangimentos inerentes à formação e educação.

Prioridade após as eleições?

Após a realização das próximas eleições legislativas será formado o VII Governo Constitucional. Na sua opinião, o que é que o governo deveria realizar como prioritário no domínio da formação de quadros no âmbito do plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste?

O novo executivo nacional, seja ele qual for, não poderá deixar de assumir como relevante e altamente estratégico introduzir na agenda política nacional a importância da obrigatoriedade que se impõe em torno da concepção de um Plano Nacional de Formação de Quadros (2018-2028).

O país tem doze instituições de Ensino Superior, públicas e privadas. Estima-se que existam 1222 docentes com o grau de licenciado, 750 com o grau de mestre e 50 com o grau de doutor.

Mas, pergunto, quais são de facto as necessidades de formação graduada e pós-graduada? Há algum estudo realizado sobre essa matéria e que oriente as universidades e escolas superiores?

Quais são as prioridades e programas de acção para a formação de quadros médios e superiores, para a administração pública e outros sectores? Quais são os resultados esperados e a estimativa de custos para os programas de formação de quadros?

Há algum documento orientador sobre a política de formação profissional na administração pública? Existe um balanço de necessidades de formação da oferta educativa interna nos domínios estratégicos de formação média e superior?

Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste (2011 – 2030)

Timor-Leste precisa de um documento orientador para a formação de quadros que tenha em consideração as necessidades de formação? É isso que defende?

Com certeza! Para respondermos de forma eficaz a questões desta natureza é imprescindível que Timor-Leste conceba um documento orientador da capacidade em termos técnicos e científicos, em harmonia com o Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste (2011 – 2030), e que de forma sustentável consubstancie um plano de implementação especificando aspectos de operacionalização, acções, cronogramas e investimentos.

O próximo Governo de Timor-Leste, caso esteja mesmo interessado no desenvolvimento social e económico do país, como espelha o Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste (2011 – 2030), terá que assumir o compromisso
de garantir a estratégia nacional de formação de quadros mediante um Plano Nacional de Formação de Quadros e que este seja um documento estratégico, com rigor científico, pelo seu horizonte de acção, e com projecções sobre as necessidades de formação até, digamos, 2028.

Dr. Azancot de Menezes agradecemos muito o seu contributo em ajudar-nos a compreender melhor a situação de Timor-Leste. Desejamos os melhores sucessos para o próximo governo e para os timorenses.

Eu é que agradeço! A discussão e a análise com pensamento crítico é um dos défices do nosso país, portanto, será sempre um prazer e obrigação minha discutir e problematizar em torno de questões tão importantes e estratégicas para o nosso desenvolvimento.


Publicado por TIMOR AGORA

          MP timorense pede penas de prisão de oito anos para casal português retido em Díli   


Díli, 27 jun (Lusa) - O Ministério Público timorense pediu hoje oito anos de prisão para os dois portugueses acusados de vários crimes financeiros e retidos em Díli desde outubro de 2014.

Tiago e Fong Fong Guerra foram julgados no Tribunal Distrital de Díli, acusados dos crimes de peculato, branqueamento de capitais e falsificação documental, relacionados com uma transferência de 859.706,30 dólares (792 mil euros), feita em 2011 por um consultor norte-americano para a conta da empresa da arguida.

Nas alegações finais, o Ministério Público pediu a condenação do casal pelos crimes de peculato e branqueamento de capitais e penas de prisão de oito anos cada para um dos dois arguidos, além do pagamento de uma indemnização no valor de 859.706 dólares, com juros desde 2011.

O MP considerou que a pena de prisão pedida era mais baixa do que o suposto porque tinha em conta "circunstâncias atenuantes",incluindo o facto de os arguidos "terem cooperado com a justiça e não terem antecedentes criminais".

O MP pediu a absolvição dos arguidos no caso dos crimes de falsificação documental por considerar que os alegados crimes "já prescreveram", por terem sido cometidos em 2011.

O consultor norte-americano Bobby Boye - que está atualmente preso nos Estados Unidos por defraudar Timor-Leste em 3,5 milhões de dólares (3,2 milhões de euros) -- trabalhou com o Governo timorense na recuperação de impostos devidos ao país por empresas petrolíferas.

Nas suas declarações finais, a procuradora Angelina Saldanha declarou provados todos os factos, com base nos testemunhos e nos documentos constantes no processo.

A magistrada considerou ter sido provada a realização da transferência e o conluio dos arguidos portugueses com o consultor norte-americano para "desviar ilicitamente" fundos que eram devidos ao Estado timorense por impostos cobrados a empresas petrolíferas.

Saldanha disse ter ficado provado que os arguidos "abriram várias contas" para tentar criar "confusão", tendo causado um prejuízo ao Estado de quase um milhão de dólares.

No que se refere ao crime de peculato (que se aplica exclusivamente a funcionários públicos), o MP alegou que Bobby Boye pode ser considerado como tendo sido um funcionário do Estado timorense e que ficou provado a sua ligação aos arguidos.

Assim, disse a procuradora, "os dois arguidos atuaram com Boye para desviar esse dinheiro" e "são assim coparticipantes no crime de peculato" tendo "atuado em conjunto para desviar esses montantes que pertencem ao Estado de Timor-Leste".

O Ministério Público considerou que foi igualmente provado o crime de branqueamento de capitais.

Tiago Guerra foi detido para interrogatório a 18 de outubro de 2014 e ficou preso até 16 de junho de 2015.
Desde então, como a mulher, com Termo de Identidade e Residência (TIR) e impossibilitado de sair do país, tendo o julgamento começado a 28 de fevereiro.

ASP // PJA

Também publicado em TIMOR AGORA 


          PORTUGUESES CÚMPLICES DO GENOCÍDIO EM TIMOR-LESTE | revelado desde 2005   




A revelação de documentos secretos norte-americanos trouxe a verdade à tona sobre acontecimentos ocorridos em 1975 que comprovam a existência de conluio e indiferença de entidades portuguesas (civis e militares) na ocupação selvática levada a cabo por forças militares indonésias ao serviço de Suharto. Também esses traidores portugueses ficaram impunes. Conclui-se após a notícia veiculada pela Lusa em 2005, e que é recomendável não esquecer.

É costume em Portugal (assim como também em outros países) a culpa morrer solteira. Contudo isso não nos impede, em democracia, de recorrer às memórias da história para relembrar aos que são desses tempos mas ignoram e às novas gerações que no caso da invasão de Timor-Leste alguns portugueses têm a sua percentagem de responsabilidades perante o genocídio ocorrido naquele país, assim como a cobardia aviltante e desleixo em entregar de mão-beijada a Pátria de um povo e o próprio povo que Portugal colonizava (sendo por isso responsável).

É evidente que esses portugueses traidores e dignos de chafurdarem em chiqueiro adequado às suas práticas permanecem no secretismo e impunes. Nem a história de Portugal alguma vez fez constar quem são e o que fizeram na abrangência daquele fatídico período. Muito provavelmente alguns (ou todos) ainda foram condecorados por “bons serviços prestados à nação e a bem da nação”. Vómitos, é o que tais energúmenos merecem por tal comportamento. Decerto que inseridos numa componente política e militar. Se bem que certo é que não sabemos exatamente quem desses devemos apontar. A impunidade permite-lhes a opacidade conveniente.

Nem atualmente, mais de 40 anos volvidos, os nomes desses traidores, desses pulhas, e cúmplices dos crimes ocorridos em Timor a partir de 1975, por militares e polícias indonésias, foram divulgados. Passando-se uma esponja pelas responsabilidades e culpabilidades criminosas que lhes cabe.

Em abono da verdade deve ser facto real que na atualidade alguns deles já são ossadas ou pó. Isso não invalida que não seja escrita a história como se deve e que se lhes sejam retiradas condecorações se as tiveram recebido. Ao menos isso. Condecorar traidores é blasfémico para a história de Portugal e ainda muito mais aviltante para as centenas de milhares de vítimas timorenses.

Não são, não foram, os portugueses da plebe que agiram de modo tão sabujo e traidor dos povos timorense e português. Foram especificamente uns quantos, políticos e militares, pela certa. Quem? Quantos? Temos o direito de saber. Não só os portugueses mas também os timorenses interessados na verdade de toda a trama que causou cerca de 250 mil cadáveres timorenses.

Esta é a história pocilgueira de colonizadores cobardes e indiferentes aos destinos nefastos do povo por que se devia sentir e ser responsável. Essa seria a atitude correta e demonstrativa do respeito devido àquele povo. O colonialismo, os negreiros, decidiram ao contrário, cobardamente, com todo o desprezo pelas vidas humanas que então era fácil adivinhar serem varridas da face da terra, do Timor Lorosae. Assim se pode deduzir ao ler a seguir o que consta no jornal Público em 2005. Não só a Indonésia de Suharto é responsável pelo genocídio mas também os EUA e Portugal o são.

MM / AV

DOCUMENTOS SECRETOS | Portugal disse aos EUA que não se oporia à invasão de Timor-Leste

Em Março de 1975, Portugal já tinha informado os Estados Unidos não ser sua intenção resistir a uma possível invasão de Timor-Leste pela Indonésia, revelam documentos secretos divulgados ontem em Washingon. Isto apesar de uma análise militar norte-americana ter concluído que Portugal, com o mínimo de preparativos, tinha a capacidade de "encurralar" os indonésios em Díli, devido à falta de apoio dos timorenses a uma invasão Indonésia e às dificuldades do terreno.

Os documentos mostram a frustração indonésia para com a falta de resposta de Portugal à crescente crise em Timor durante 1975 e ainda a má informação sobre a situação política em Portugal por parte de um proeminente oficial indonésio.

Por outro lado, os memorandos revelam que em Novembro desse mesmo ano o actual ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-leste, José Ramos Horta, contactou desesperadamente a embaixada norte-americana em Sydney, na Austrália, para apelar à " ajuda política e económica à Fretilin" e avisar que a invasão indonésia a Timor-Leste estava "iminente".

Em Março de 1975, Portugal já tinha informado os Estados Unidos não ser sua intenção resistir a uma possível invasão de Timor-Leste pela Indonésia, revelam documentos secretos divulgados ontem em Washingon. Isto apesar de uma análise militar norte-americana ter concluído que Portugal, com o mínimo de preparativos, tinha a capacidade de "encurralar" os indonésios em Díli, devido à falta de apoio dos timorenses a uma invasão Indonésia e às dificuldades do terreno.

Os documentos mostram a frustração indonésia para com a falta de resposta de Portugal à crescente crise em Timor durante 1975 e ainda a má informação sobre a situação política em Portugal por parte de um proeminente oficial indonésio.

Por outro lado, os memorandos revelam que em Novembro desse mesmo ano o actual ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor-leste, José Ramos Horta, contactou desesperadamente a embaixada norte-americana em Sydney, na Austrália, para apelar à " ajuda política e económica à Fretilin" e avisar que a invasão indonésia a Timor-Leste estava "iminente".

Esta iniciativa de Ramos Horta foi feita por indicação do Comité Central da Fretilin e, segundo o documento confidencial do Departamento de Estado, o funcionário da embaixada norte-americana que recebeu Ramos Horta "ouviu a exposição sem comentários".

A Indonésia invadiu Timor-Leste em Dezembro de 1975 com conhecimento prévio dos Estados Unidos.

Arquivo de Segurança Nacional dos EUA revela documentos secretos

Os documentos foram dados a conhecer pelo Arquivo de Segurança Nacional (National Security Archive), um centro de estudos que se especializa em tentar angariar e publicar documentos governamentais, muitas vezes secretos.

A organização deu ontem a conhecer 39 documentos até agora secretos sobre os contactos diplomáticos em redor de Timor-Leste após a queda da ditadura em Portugal, que levou à descolonização.

Poucos meses após o 25 de Abril de 1974, o Governo indonésio começou de imediato a sondar os Estados Unidos sobre a posição de Washington quanto a Timor-Leste e a sua possível anexação por parte de Jacarta.

Henry Kissinger foi informado da invasão

Em Dezembro de 1974, um funcionário do Conselho de Segurança Nacional dos EUA enviou um memorando ao então conselheiro de Segurança Nacional, Henry Kissinger, informando-o de que num contacto com o adido de defesa da Indonésia ficou a saber que "o Governo indonésio estaria interessado em saber a atitude norte-americana para com Timor Leste (e, por implicação a nossa reacção à possível tomada de controlo pela Indonésia)".

O funcionário sugere a Kissinger que convide entidades indonésias para conversações sobre essa e outras questões, ao que Kissinger dá sua aprovação com uma assinatura no final do documento por baixo da palavra "aprovado".

Poucos meses depois, em Março de 1975, um memorando "ultra secreto" de três páginas endereçado a Henry Kissinger pelo mesmo funcionário do Conselho de Segurança Nacional avisa que a Indonésia receia que "uma retirada apressada dos portugueses deixará Timor enfraquecida sujeita aos instintos esquerdistas de uns poucos líderes do movimento independentista, líderes que os indonésios receiam serem influenciados por Pequim".

O documento informa estarem a crescer as pressões dentro da Indonésia para uma "acção militar directa". "Temos alguma informação indicando que estão a avançar preparativos para essa acção e uma informação de que Suharto deu ordens para incorporação de Timor português não mais tarde do que Agosto de 1975, pela força se necessário", lê-se no documento. 

"Entidades oficiais portuguesas informaram-nos de que não resistirão a qualquer uso da força por parte da Indonésia," acrescenta o documento, sem dar outros pormenores.

Posição da Austrália era "ambivalente"

O relatório "ultra secreto" descreve a posição da Austrália sobre a possível invasão Indonésia como "ambivalente".

O autor do documento afirma que o Departamento de Estado não sabe "qual a melhor política a seguir", afirmando que o embaixador norte-americano em Jacarta recomendou "uma política de silêncio".

O documento propõe que se o Governo indonésio voltar a inquirir sobre a posição norte-americana, a resposta seja manifestar "a esperança de que qualquer mudança no Timor português seja levada a cabo pacificamente".

Henry Kissinger concorda com esta posição e nesse mesmo mês o consulado dos Estados Unidos em Surabaya enviou um extenso telegrama secreto à embaixada norte-americana em Jacarta alertando para as dificuldades que o Exército Indonésio enfrentaria numa invasão de Timor-leste.

O telegrama é titulado "Estimativa das capacidades militares indonésias " e nele o autor avisa que os timorenses ligam a possível invasão indonésia "às memórias amargas da ocupação japonesa e não deverão fornecer guias ou informação" aos invasores.

"Os portugueses não praticaram o ‘apartheid’ e as relações inter-raciais são excelentes," diz o documento.

"Não existe qualquer possibilidade de simpatia por uma autoridade indonésia entre a elite timorense ou a população em geral," acrescenta o documento, que avisa que sem o apoio da população "operações militares no Timor português seriam um grande peso para as melhores forças armadas do mundo".

O documento faz depois uma análise detalhada do terreno de Timor-Leste, afirmando que, embora com planeamento e preparação Díli, possa ser tomada "por uma força militar capaz", as forças portuguesas, com apoio de organizações locais e com "um mínimo de preparativos defensivos e uns poucos dias de aviso, podem encurralar os indonésios em Díli sem gastarem muito sangue ou munições".

O documento analisa depois praias perto de Díli para um possível desembarque indonésio, concluindo que "a logística e manutenção seriam a chave para uma operação com sucesso contra Timor português e estes aspectos não têm sido no passado os pontos fortes dos indonésios".

"Como é que os portugueses tencionam cumprir as suas responsabilidades"

Em Agosto de 1975, a embaixada dos Estados Unidos em Jacarta enviou um documento "secreto" ao Departamento de Estado a relatar um encontro entre o embaixador dos Estados Unidos e o tenente general Yoga Sugomo, dos serviços secretos indonésios.

Neste encontro, Yoga delineou a situação em Timor-Leste e expressou frustração por não conseguir clarificar "o que o actual Governo português vê como as suas obrigações e responsabilidades no Timor português ou como é que os portugueses tencionam cumprir as suas responsabilidades".

"Yoga disse francamente que o Governo da Indonésia não sabia quem estava no poder em Portugal e não conseguia obter respostas de Lisboa ou de qualquer outra representação diplomática portuguesa em Macau, Hong Kong, Nova Iorque e noutros locais," diz o documento, que relata como o general Yoga considerou os "socialistas" portugueses como "pró-Moscovo" e os "comunistas" como "pró-Pequim".

Quando informado pelo embaixador norte-americano de que "os socialistas portugueses tendem a manter laços ideológicos com os socialistas europeus e não com Moscovo" e sobre como as "tendências" em Portugal eram "vistas como não comunistas e de dificuldades para os comunistas, o general Yoga repetiu meramente que, pelo que sabia, os "socialistas eram pró-Moscovo e os comunistas eram pró-chineses".

Interrogado pelo general indonésio sobre qual a posição dos Estados Unidos para com a situação em Timor-Leste, o embaixador respondeu que, "em primeiro lugar, o Governo dos Estados Unidos não está ansioso por se envolver de qualquer modo no Timor português", sendo o "principal interesse norte-americano o impacto de qualquer mudança no Timor português nas relações dos Estados Unidos com a Indonésia".

"Em segundo lugar, o Governo dos Estados Unidos não tem qualquer objecção à fusão de Timor português com a Indonésia, assumindo que é esse o desejo da população", acrescentou o diplomata, citado no documento.

O embaixador disse que poderia "haver problemas" se houver "uma tomada pela força" avisando que isso poderia pôr em perigo a ajuda militar à Indonésia.

O general indonésio insistiu numa opinião mais clara das autoridades norte-americanas, afirmando que "se daqui a quatro ou cinco anos Timor português for pró-soviético ou pró-chinês, então os problemas não serão só da Indonésia".

O embaixador norte-americano disse que a posição norte-americana não estava "inteiramente dependente do ramo executivo do Governo dos Estados Unidos".

"O ramo executivo pode compreender a situação, mas as suas mãos podem ficar amarradas, pelo que não é possível dizer exactamente qual seria a reacção dos Estados Unidos", disse o embaixador dos Estados Unidos.

No encontro, o general Yoga disse não acreditar que a fusão de Timor-Leste com a Indonésia pudesse angariar mais apoio entre a população timorense porque "só a Apodeti (Associação Popular Democrática de Timor) é que apoia isso".

O décimo segundo e último assunto

A 5 de Dezembro de 1975, nas vésperas de uma visita do então Presidente Gerald Ford a Jacarta, o Departamento de Estado enviou uma nota "secreta" a Henry Kissinger a mencionar a informação sobre a decisão da Indonésia de invadir Timor entre "6 e 8 de Dezembro".

O documento sugere que - embora seja de esperar que a Indonésia não tome qualquer acção antes da partida de Ford de Jacarta, para evitar um "sério embaraço" - seja enviada uma "mensagem urgente" às autoridades indonésias "pedindo que os indonésios não façam qualquer anúncio e não tomem medidas militares até bem depois da partida do Presidente de Jacarta".

Documentos preparados por Kissinger para o Presidente Ford, para a sua visita a Jacarta, indicam, contudo que para Washington Timor-Leste não era uma prioridade.
A situação em Timor-Leste é apenas o décimo segundo e último assunto do "briefing" ao Presidente norte-americano.

Lusa, em Público | 29 de Novembro de 2005, 12:08

Também publicado em TIMOR AGORA